domingo, 8 de novembro de 2009

Muros, muros e mais muros

É só falar-se na queda do muro de Berlim, que não há ninguém que não fale do "muro da vergonha" construído por Israel ao longo da Cisjordânia, especialmente em programas radiofónicos que têm foruns de ouvintes.  Não há ouvinte que se preze que não vocifere clichés e lugares comuns sobre este muro ou nos mande reflectir sobre ele. Foi o que fiz.O que eu não percebo é porque é que não falam de um muro construído com dinheiro da UE, em redor de Melilla, o enclave espanhol em Marrocos, para impedir a onda de emigrantes africanos. Estes sim, são para mim verdadeiros muros da vergonha que a Europa ergue para se proteger de desgraçados que não têm que comer, que não vêm com cintos de explosivos à cintura e que morrem pendurados em arames farpados. Mas, depois, é esta mesma Europa que gosta de estar de dedinho em riste para Israel contra o "muro da vergonha", aliás erguido por construtores e operários palestinianos, com cimento palestiniano. Não percebo porque é que os palestianos, __que tanto gostam de atirar pedras__, não apedrejaram estes empreiteiros palestianianos. Há muita coisa neste conflito que parece que é urdida pelos donos de uma determinada ordem mundial, difundida por uma determinada comunicação social interessada em manter vivo o anti-semitismo no mundo e no tempo, papel que os palestinianos assumem na perfeição, sendo peões __sem disso se darem conta__, de um imenso tabuleiro de xadrez. Vejo, uns monstrinhos muito grandes a manejarem cordelinhos e bonecos que se movem conforme os movimentos. Este povo é muito mais vítima dos seus "irmãos" árabes do que de Israel, mas é muito conveniente que o mundo pense que Israel é o sempre o "mau" da fita. Caramba! Com "irmãos" arábes que têm nos seus palácios torneiras de ouro e não são capazes de instalar um depósito de água aos manos pobrezinhos? E, o que dizer da fortuna pessoal de Arafat, enquanto o "seu" povo passava dificuldades? A divisão entre "bons" e "maus" é muito conveniente. Mas, agora que dizer quando há dois "bons", Fatah e Hamas que se degladiam pelo poder? Por muito que me esforce não consigo ter qualquer tipo de simpatia por grupos como o Hamas, e por uma sociedade que manda as suas crianças para a 1ª linha de batalha, que trata as mulheres abaixo de cão e os cães, meu Deus, não quero nem pensar, considerados impuros na comunidade islâmica. Quanto à liberdade de expressão, foi vê-la aquando das caricaturas de Maomé. Vimos sim, toda a gente viu. São dois mundos diferentes: em Israel uma mulher cientista Ada Yohath ganha o prémio Nobel da Químíca em 2009, enquanto isso em Gaza, o Hamas proibiu as mulheres de andarem de mota, a fim de conservar as "tradições árabes". Quem os punha conservados em formol era eu. O Hamas em frasquinhos.

5 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Todos os muros são vergonhosos, Zoe. Não há muros bons e maus, porque todos privam cidadãos da liberdade.

Zoe disse...

boa noite Carlos,
o que me chateia no meio disto tudo é a hipocrisia com que a temática é tratada. sim, de facto, todos os muros são vergonhosos, mas, assim sendo porque não se fala daqueles que a Europa constrói para se proteger de subsaarianos e magrebinos, ou da conivência da "nação" árabe na construção do muro?? santa hipocrisia!
abraço
zoe

César Ramos disse...

ZOE!

Comoveu-me a estas horas que navego com ex-piloto, mas agora na net, pois já fui 'expulso' dos céus!
Extraordinário o seu texto! está lá tudo!
É a muita ignorância e vontade de se porem 'intelectualmente' em bicos de pés, que põe muita a gente a falar sobre Israel!
Nem sei se sou judeu! Nem tal é importante! por mim, sempre, incondicionalmente a favor da Estrela de David!

César

Zoe disse...

pois é César, também não sei quem sou, de onde venho, quais as minhas origens, mas, neste conflito, é para o lado de Israel que o meu coração pende totalmente.
se gosta de Serge Gainsbourg não pode deixar de ouvir uma canção que ele ofereceu a Israel em 1967, chama-se Le sable de Israel.
zoe

Zoe disse...

César, desculpe, a canção de Gainsbourg chama-se Le sable et le Soldat, está no you tube