quinta-feira, 29 de abril de 2010

O Esplendor Tuga...

Hoje à tarde, na esquina da rua da Conceição com a rua dos Correeiros, uma carrinha estacionada na estrada, junto aos carris, impediu a passagem não de um só eléctrico, mas sim de oito, isso mesmo: eléctricos que entretanto se foram juntando! Quando eu cheguei ao local, há já meia-hora que a cena durava: turistas saíam dos eléctricos e fotografavam; donos, empregados e clientes das retrosarias juntavam-se nos passeios e uma esbaforida agente de trânsito, esbracejava para fazer passar os carros. Quando por fim apareceu o rebocador municipal, apareceu o faltoso a correr, mas de nada lhe valeu. Rebocaram-lhe a carrinha e tiraram-lhe a carta, segundo testemunhos de populares. Por íncrivel que apareça, ainda houve vozes que se levantaram para defender o rapaz, Coitado, estava a trabalhar, porque é que não vão prender os ciganos que vendem droga, esses não prendem eles não, a discussão descambou para o governo que vai matar o povo à fome, e o culpado daquilo tudo foi...o Sócrates, pois então! 
 A carrinha faltosa e a agente esbaforida 


A fila de eléctricos parados que chegava à Igreja de Santa Maria Madalena


O faltoso viu este anúncio publicitário e decidiu cumprir à letra

segunda-feira, 26 de abril de 2010

O meu blog faz hoje um ano

Imagem da Internet
O meu blog faz hoje uma ano. Não me apetece festejar nada, porque ainda estou de luto pela minha Mooi.
Mas, queria agradecer a todos aqueles que têm a paciência de o ler e também aos que não o lêem; aos que nunca se cansam e aos que estão sempre cansados; aos nunca se esquecem e também aos que nunca se lembram; aos que têm a coragem de ser leitores activos e participativos, e aos outros também; aos que têm sempre tempo e também aos que nunca têm tempo. Porque a luz de uns só resplandece com a escuridão de outros. 
Não direi que foi um ano de altos e baixos, mas sim de baixos e baixos, desde o ano passado, no verão, ter ficado sem pc durante mês e meio, até muito recentemente ter ficado sem ele durante três semanas onde estive mesmo mesmo para dar um fim a este blogue... Parecendo que não, elas não matam, mas moem! 
Mas, depois pensei que foi um ano em que aprendi muito, muito mesmo com outras pessoas e quero continuar a aprender e esse facto, só por si, vale por todos os baixos e baixos que tive; aprendi com elas, viajei com elas, ri-me e chorei com elas. Fiquei surpreendida com algumas pessoas amigas, familiares, conhecidos e por aí adiante nunca me visitarem, nem lerem, nem ligarem nenhuma, mas em contrapartida tive a agradável surpresa de pessoas que não conhecia, terem aqui chegado, terem gostado e terem continuado e fazerem agora parte de uma galáxia virtual, eles sabem quem são. Mas, hoje não pode haver festa.

domingo, 25 de abril de 2010

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Em memória da Mooi


A Mooi foi ontem a enterrar. Na sepultura tem um vasinho de amores-perfeiros amarelos, símbolo do amor perfeito que ela me devotou toda a sua curta vida. Cozi-lhe a mortalha branca, cavei-lhe a sepultura e enterrei-a à sombra de uma árvore de um quintal de uma amiga, que posso avistar de uma janela da minha casa. Teve flores, orações fúnebres, pensamentos bíblicos. Repousa em paz. Penso que, da mesma maneira que não existe uma vida específica, intrínseca e própria para os animais, também não existe uma morte própria para eles. A morte é a morte. A transmutação da matéria, a energia que volta à terra, para se transformar. A essência da morte é a mesma para o mundo animal humano ou não-humano.       

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Saudade

Esta madrugada a morte passou pelo meu quarto e levou-me a minha querida Mooi. Morreu sem um ai, nem um estremecimento, como um passarinho. Estava inconsciente, desde a véspera, numa espécie de coma, seguimento de um avc, ou um ataque cardíaco ou qualquer coisa que lhe deu e que ficou inconsciente. 

Últimos tempos

Últimos tempos

domingo, 18 de abril de 2010

Crónicas de Estrasburgo...

Boas notícias para a comitiva presidencial que está acampada algures: a ministra Ana Jorge e a fadista Kátia Guerreio juntaram-se hoje ao grupo. Assim, a primeira pode tratar das dores musculares, das dores de cabeça, das noites mal dormidas, enquanto a fadista canta: "...tudo isto é triste, tudo isto é fado..."
Moral desta história toda: poeiras e nuvens vulcânicas não se compadecem, ___nem um bocadinho___, com presidentes, primeiras damas, empresários de sucesso ou sem sucesso, assessores, elementos da casa civil e por aí adiante.

P.S. Acabei de saber que esta coluna nem sequer vai almoçar a um restaurante para não perder tempo e estar em Barcelona o mais rápido possível e vão fazer uma espécie de piquenique ao ar livre. Cuidado é com as formigas, porque elas também se estão a borrifar para presidentes.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Flor ou Uma História com Final Feliz


Lembram-se dela? Com certeza que sim, ela foi aqui publicada muitas vezes, e é ela que está aqui em cima, na imagem que ilustra o meu blogue, numa homenagem aos animais de rua. Mas, o destino da Flor mudou.
Com a doença oncológica da Mooi, o Cabeçudo diabético, e a viagem a Praga fui acabando por esquecer de publicar uma boa notícia para todos os que se alegram cada vez que um animal sai da rua e é adoptado. É que depois de dois anos e meio de vida na rua, ao frio, à chuva, a fugir de cães, gatos com cio, carros, energúmenos, burgessos e afins, a nossa querida e mimada Flor já vive numa casa e a sua vida aburguesada de sofá, desde o dia 11 de Março! Pois é, a minha vizinha do r/chão decidiu-se, por fim __num rasgo de coragem que pensei que não seria capaz___, a levá-la para casa. É para nós, um alívio e o fim de um tempo de sobressalto e preocupação constantes, pois ela estava a afastar-se cada vez mais da praceta onde moramos e onde comia, indo refugiar-se nos motores dos carros de outra praceta, sendo preciso ir chamá-la e buscá-la, por vezes, tarde, muito tarde, na noite. Para a história fica uma pasta com dezenas de fotografias, pois ela, é sem dúvida, das gatas mais fotogénicas que conheci em toda a minha vida.     

terça-feira, 13 de abril de 2010

Prendas



    Recebi ontem da Greenie, coisasverdes, esta prenda em forma de selo que muito muito me agradou, propondo-  me ainda a greenie que responda às seguintes solicitações:

1 - Dizer algo que goste em si: Força de vontade.

2 - Dizer uma coisa que goste no blog de onde recebeu o selo: O que eu gosto no blog da Greenie são as notícias, informações sobre animais, testemunhos e histórias com...animais. 

3 - Oferecer o selo a 5 blogs, desafiá-los e caracterizá-los: Como já ofereci merecidos selos à Turmalina, ao Carlos, à Luísa, à Lupa, à Wolken, à Greenie, aos Vagas, ao Hugo, vou hoje oferecer a quem ainda não dei e que não são por isso menos merecedores. Então, hoje o selo vai para:

 alfobre, do César Ramos, é um blog onde se aprende sempre qualquer coisa, sobre os mais variados assuntos, sejam de história, literatura, poesia.

Blue Moon, caixadepandora, da C.G.S, é um blog que me encanta. Poesias em prosa ou verso, ilustradas muitas vezes com quadros da autora e uma música de fundo linda.

Um Gato leva a outro, umgatolevaaoutro, da Isabel, um blog que se esforça não só pela divulgação de notícias sobre animais mas também pela publicação de anúncios sobre adopções, abandonos, situações urgentes, maus tratos. E, também como acaba de fazer um aninho de vida este selo é também uma prenda.

 ocantinhodairis, é um blog de uma cadela bombeira, que gosta de publicar fotografias e videos de histórias de inter-relação entre animais de espécies diferentes sejam humanos ou não-humanos.   

Viver é pura magia, viverpuramagia, do brasileiro Ricardo Calmon, que tem uma curiosa forma de expressão e que transmite uma energia muito positiva.

Embora não tenham sido escolhidos por essa razão específica, quando reparei, todos gostam de animais! 

Parabéns a todos, porque todos estão mesmo de parabéns. 

Ainda a Marcha pelos Animais

Três dias depois da Marcha, cá vão as fotografias. Como as tenho visto muito boas, e as que publicaria não iriam acrescentar nada àquelas que circulam na Internet, optei pelas saudações que cães e donos da rua de S. Bento nos vieram fazer às varandas e janelas. Ou pelo menos, vieram ver-nos.





domingo, 11 de abril de 2010

Cidades da minha vida: Santiago de Compostela

Foto tirada da Internet
Só agora estou a responder ao desafio que o Carlos Barbosa de Oliveira de cronicasdorochedo nos lançou para escrevermos algo sobre cidades que nos tocaram ou comoveram ou que tenham, para nós, qualquer coisa de especial. Escolhi Santiago de Compostela por ela estar indelevelmente ligada à minha saúde e também à minha carteira...Então, em Novembro de 2003 fui passar um fim-de-semana a Santiago. Contrariamente ao que sempre acontece na Galiza, não estava a chover, o céu estava azul e o sol quentinho. Visitámos a Catedral, respeitei e cumpri os rituais e tradições, coloquei a mão direita na coluna do pórtico da Glória, dei três cabeçadas numa estátua e abracei a imagem do Apóstolo que preside à nave central. Passeámos pelo centro histórico, comprámos as nossas lembranças, tudo estava a correr às mil maravilhas, nada fazendo prever que no dia seguinte, no domingo, mal me conseguisse levantar, assolada por violentas dores de costas, pernas e garganta. Dores estas que não me largaram durante todo o mês de Novembro, não conseguindo nem comer, nem beber, nem deglutir fosse o que fosse incluindo o fumo do cigarro, tendo então agoniado e intolerado o tabaco, até hoje. Quando me perguntam: Quando é que deixaste de fumar? Comecei a deixar de fumar em Santiago de Compostela. Fui lá passar um fim-de-semana e no domingo...", já sabem o resto da história. 
Um dia, hei-de dar-me ao trabalho de fazer as contas, com as devidas actualizações dos aumentos do tabaco, de quanto eu poupei desde então. Por alto acho que já dava para comprar um carro, em segunda mão, claro. Bem, só me esqueci de dizer que fumava um maço de Lucky Strike por dia. 
E, tudo haveria de começar em Santiago de Compostela...  

Ainda a Marcha


Por razões obscuras que me escapam, às vezes não consigo colocar directamente os videos do you tube para o blog. Foi o caso, de qualquer maneira é só fazer um click em cima. Trata-se do final da Marcha, já em S.Bento. Não sei quem é o autor do video, mas gosto particularmente da música de fundo: torero assassino...

http://www.youtube.com/watch?v=WogsnMSPMTk

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Sonho de uma noite de Primavera


"Quando sinto a tua respiração no meu ombro, o meu corpo transforma-se em água".
Foi o que sonhei esta noite.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Rio de Janeiro

Por todos os seres vivos que perderam a vida no Rio

terça-feira, 6 de abril de 2010

Prédios de Praga

Daqui a muitos anos e muitos séculos outros viajantes passarão e passearão na ilha de Kampa e hão-de fotografar aquele Menino Jesus de Praga e aquele lobo na fachada daquela casa. A memória colectiva do olhar que passa de geração em geração numa espécie de vida eterna.

As estátuas e as imagens guardam os nossos olhares para um dia os oferecerem. A quem os merecer.

Há quem viva ali e talvez não seja feliz. Às vezes passeamos numa cidade e pensamos aqui poderia ser feliz. Outras vezes passamos num sítio, olhamos para uma casa e pensamos se eu vivesse aqui, seria feliz.  

Continuação de A insustentável leveza do ser

Cada vez menos me apetece falar e não acrescentar nada àquilo que já toda a gente disse antes de mim. Neste caso, Praga. Gostei muito dos cafés. Intimistas, confortáveis, vai-se lá para falar de qualquer coisa e não apenas para beber uma bica e comer um pastel de nata, em pé, ao balcão. Em Praga apetece estar num café e não apetece sair de lá.    

A caminho do café Louvre onde Kafka gostava de ir


O café Republika onde eu gostei de ir


 Uma bica...praguense!

domingo, 4 de abril de 2010

A insustentável leveza do ser

Recentemente chegada de terras checas e com a Mooi leve como uma pluma foi este o título que me ocorreu para este texto. Desde o último post, __faz hoje quinze dias__, muita coisa se passou. Depois de ter sido diagnosticado à minha querida Mooi cancro do pâncreas e ainda outro na cavidade abdominal que na altura por falta de coragem nem escrevi, ao diagnóstico foi acresentado pouco tempo de vida, mas, a bichinha já sobreviveu 17 dias a comer, a beber, a procurar o sol e a ronronar em cima da minha cabeça. Não sei se estes dias foram os mais felizes da vida dela, mas foram, sem dúvida, os mais mimados. Ela pode fazer tudo e mais alguma coisa, desde afiar as unhas nos meus sapatos e na segunda gaveta da comoda, até ao melhor lugar ao sol que é para ela, assim como as melhores latas e o melhor colo. Entretanto, teve tempo e energia para ter rebentado os pontos, e para ser de novo anestesiada e cozida!
Com a Mooi entregue aos primorosos cuidados da minha vizinha do r/chão e o Cabeçudo internado, rumei a Praga, numa viagem que já estava paga antes de toda esta sucessão de doenças de animais. Eu queria ser original e dizer qualquer coisa que ainda não tivesse sido dita, mas parece que já toda a gente disse o que há para dizer de Praga. Junto-me ao coro daqueles que dizem que é uma das cidades mais bonitas do mundo, principalmente se andarmos de nariz no ar __como me foi recomendado__para ver as fachadas art nova e art deco e outras artes. Do caderninho que levei com o título pomposo de Crónicas de Praga, nem uma linha, como se as dores de pés e pernas tivessem passado às mãos e ao cérebro e estivesse tudo amassado. O caderno está é cheio de bilhetes de entradas, de panfletos publicitando concertos o que si é revelador de algo, é que eles distribuem prospectos de concertos a cada canto e esquina como nós aqui distribuimos prospectos de ginásios e depilações. Das 277 fotografias que tirei, para hoje escolhi três ao acaso. Espero que gostem.         
                                                                       A janela da casa de Kafka da Viela Dourada


Vista sobre Praga, do Castelo
                                                                                                                      Edíficio à esquerda do Relógio Astronómico