quinta-feira, 16 de julho de 2009

Omar Khayyam

Nessa encruzilhada do desejo e da necessidade,
não deixes nada:
não voltarás lá nunca mais.

“Ah, enche a Taça:– do que vale repetir
Que o Tempo passa rápido sob nossos Pés:
Não nascido no amanhã, e falecido Ontem,
Por que angustiar-se frente a eles se o Hoje pode ser doce?”

“Move-se a mão que escreve, e tendo escrito, segue adiante;
Nem toda a tua Piedade ou o teu Saber a atrairão de volta,
para que risque sequer metade de uma linha;
Nem todas as tuas Lágrimas lavarão uma só de tuas Palavras. ”

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Venho agradecer e retribuir a visita. Gostei de conhecer o seu blog.

Zoe disse...

obrigada carlos. o meu blog é o meu diário...