sexta-feira, 21 de maio de 2010

Faz hoje um mês

que a minha bichinha partiu para o céu dos gatos. Desde então não tenho escrito nada que preste. Desconfio que, na realidade, não era eu que escrevia, mas sim ela. Porque a chegada da Mooi a minha casa e a chegada do PC são coincidentes e ela logo elegeu o espaço entre mim e o meu computador como seu, em cima do meu braço direito, depois passava-a para o esquerdo para poder escrever, aninhava-se ali no ângulo do braço e ali ficava o tempo que eu ficasse. Chegou a Mooi, o PC e eu começaria uma pós-graduação que durou tês longos semestres. E, ela sempre ali a fazer-me os trabalhos. Até às tantas. Muitas vezes, eu não conseguia fazer nada com ela nestas posições e afastava-a ou punha-a fora dali, daquele local entre mim e o PC. Mas, ela voltava e eu punha fora e ela voltava e eu enxotava, principalmente quando estava muito calor e aquela bola de pêlo fervia em cima dos meus braços. Se eu soubesse que ela iria ficar tão pouco tempo entre nós, deixá-la-ia ficar até hoje. Mas, é sempre assim. já com as pessoas também, pensamos que são eternas, que temos tempo, todo o tempo do mundo. E, um dia, já não estão mais connosco.
Agora não escrevo mais nada. porque o que eu escrevia, era ela que ditava. 
Aqui com o namorado Rubi

9 comentários:

César Ramos disse...

Zoe,

Como o tempo passa! Parece que tudo aconteceu ontem...! Porém, não noto desde nunca, qualquer diferença na mais valia da sua escrita!
Existe uma falta..., mas não propriamente a 'ausência', pois a enorme presença e vibração dela, vai determinar e inspirar a sua missão de cumprir,... e bem, a continuidade na luta por causas nobres, nomeadamente a defesa de todos os desprotegidos com a quantidade de patas que tiverem (...)

Já no "Cantinho da Íris" é assim: toda "euzinha", a bombeira [cadela] vai ditando, e, a dona, vai dando conta e risco da forma do seu pensar!

E é assim que os entes queridos nunca partem de todo! Enquanto estiverem no nosso pensamento, e nós com eles no coração...!

[disse o que disse..., mas sei que não é fácil aceitar assim tão linearmente as coisas!]

Um grande abraço.

César

RIVENDELL´S LAND disse...

É uma tristeza quando eles partem...
Eles são sem duvida os nossos melhores amigos,estão sempre lá nos bons e nos maus momentos,nas alegrias e nas tristezas...
Cumprimentos e força

Anónimo disse...

viva César
Não há, de facto, nada que me console.
quanto à escrita, está bem mais pobre, pode crer, ando totalmente seca. e, ausente também.
obrigada pela força

Zoe disse...

não sei porque apareceu Anónimo disse...Fui eu que escrevi...
zoe

Zoe disse...

caros rivendell
só quem passa pelo mesmo é que pode perceber a dor que que se sente quando estes amigos partem...

Rivendell`s Land disse...

Pois isso é bem verdade Zoe,vá passando pelo nosso blog e veja os nossos terroristas...lol sempre lhe devem dar um pouquinho de alegria,temos sempre noticias fresquinhas sobre os nossos belos peludinhos

Zoe disse...

obrigada pelo convite, ando afastada de tudo, n só da escrita como também da leitura.

RIVENDELL´S LAND disse...

Obg pela visita...os bébes são a alegria da nossa casa uma ou duas vezes de 2 em 2 anos,pena temos de ñ poder ficar com eles tds,esperamos q a/o tenham feito sorrir neste dia mais triste.

Turmalina disse...

É, fica um vazio...sempre convivi com animais. Desde pequena tinha a mania de trazê-los para casa...daí que dá para se ter uma idéia de quantos já perdi.E assim, aos poucos, fui aprendendo que o tempo deles é muito diferente do nosso.E sinto saudades deles, de cada um de uma forma diferente. Hoje, a dor passou, mas os vazios nunca foram preenchidos.E tem ainda muito amor para os que ficaram e para os que virão.
Um grande beijo prá vc e para todos os bichinhos que convivem com vc, aqui e lá :o)