sábado, 19 de junho de 2010

José Saramago

Tudo já foi dito sobre ele. Quem ama, quem odeia. Quem odeia mas nunca leu. Já lhe foram prestadas todas as homenagens e hoje o povo de Lisboa ou de qualquer parte que aqui se desloque poderá ainda fazê-lo. Como já toda a gente disse e falou e homenageou, só quero acrescentar o grande amor que ele tinha pelos animais expresso através da sua escrista. Podemos ler no seu blog um texto sobre a elefanta Susi, escrito a 19 de Fevereiro de 2009 e que por acaso aqui reproduzi ou outros textos visceralmente contra as touradas. Do Saramago que toda a gente fala fica a homenagem para o defensores dos animais.

6 comentários:

Turmalina disse...

Boa lembrança!!! Eu gostava de seus livros...
Bjos

Zoe disse...

Esta amor de saramago pelos animais é que me toca neste momento.
quanto aos livros uns gosto, outros não, mas n só dele lobo antunes igual
beijocas
zoe

Anónimo disse...

Amor de Saramago pelos animais. Acho bem. Só lamento que o nosso Nobel, tenha tratado alguns homens e mulheres abaixo de cão.

Zoe disse...

e há pessoas que tratam homens e mulheres e animais abaixo de cão...
e também há pessoas que não chegam às patas de muitos animais...

Anónimo disse...

Lá isso é verdade...

Dylan disse...

José Saramago não era menos português por não pôr a bandeira à janela na véspera de um evento desportivo. Acima de tudo, a sua essência era ibérica. Convém dizer que só saiu de Portugal devido à ostracização de Sousa Lara, comprovada agora com o episódio político revisionista da não presença de Cavaco Silva no seu funeral. "Viagem a Portugal" é reflexo de amor e do encantamento que sentia pelo país, pela sua beleza e cultura, pela classe trabalhadora, espelhada na sua identidade, mesmo que isso significasse ir contra a ideologia do seu partido, contra a maioria religiosa, contra o politicamente correcto. Para o seu espírito inconformado, a morte é pouco relevante. Como diria Saramago, "o fim duma viagem é apenas o começo de outra".